quinta-feira, dezembro 22, 2005

Um dia que sempre vou me lembrar

Este é um dia que sempre vou me lembrar, com uma triste lembrança, mas não vou me esquecer.

Não é por isso que vou escrever algo triste, sem cores, hoje vou escrever tendo em mente o que sempre o acompanhou: A alegria de viver.

Faz exatamente um ano que meu pai se foi. Uma pessoa formidável, de uma coragem admirável, personalidade forte e marcante, sábio, aventureiro, moleque, um grande cara que tive o privilégio de ter como pai.

Lembro-me dele com muita alegria, dos bons momentos que passamos.

Lembro-me dele com sabedoria, dos bons conselhos que ele dizia.

Da breve vida que passou, boas lembranças plantou.

A breve história que escreveu, só resume o que ele viveu.

Imagine alguém que pouco tempo ficou,
mas em tudo um pouco tocou.

Triste? Sim, não queremos perder aqueles que amamos.
Alegre? Sim, pelo pouco que ficou, tudo que viveu e toda boa recordação que nos deixou.
Saudades? Sim, pelo tempo que passou.


O mar. Um lugar que ele amava! Esta foto é um por do sol na praia de Santos-SP, lugar na qual viveu durante a juventude. Sei que ainda está lá, em algum lugar, descobrindo novos caminhos, pra um dia agente se encontrar.

4 comentários:

Bruna disse...

Oi, querido! Que bom q escreveu.. às vezes a melhor forma de exprimir o que estamos sentindo é por no papel, externar..mesmo que ninguém consiga compreender é como se ficassêmos mais leves...Não deixe de escrever jamais, expresse sempre seus pensamentos, suas idéias, seus conceitos.. E quanto ao seu pai: existem pessoas que são como as borboletas, vem ficam um tempinho com a gente e logo se vão em busca de novos céus... Fiquei impressionada com a sua maturidade em relação a isso. Congratulations, garotinho. Bjus, precisando estarei sempre aki. Até.

Felipe (a.k.a Lord) disse...

Perder alguém é sempre indescritível e inimaginável, somente quem perde sabe a dor da perda, porém, as coisas boas que marcaram ficam e suprem momentaneamente a falta, aumentando a saudade para que um dia - nem muito breve, nem muito longe – possas dar um abraço apertado e dizer: “- Fizeste muita falta, que bom que estás de volta agora!”

Cara, a vida é desse jeito, infelizmente não podemos prever quando e como as coisas vão acontecer, porém, acredito que por isso é que a vida é tão especial e única.

Te considero pra caramba, nois eh brod e estamos aih pro que vier!
Abração cara!

Lilian Barbosa disse...

Estava dando uma olhada em seus textos novamente! Tem tempo que você não escreve, rapaz! Passei um tempinho assim também, mas resolvi voltar.

É bacana escrever, não sei bem o porquê disso me fazer tão bem. Acho que é porque consigo me expressar e me fazer ouvida ininterruptamente, tirar coisas lá do fundo do coração e tentar materializar em palavras.

Estava relendo este teu texto, que eu já havia lido uma vez. Na época me senti tocada, claro. Imaginei como seria se fosse eu que tivesse perdido meu pai. Pensei que não fosse aguentar. Ainda penso, às vezes, agora que ele partiu. A saudade é forte, às vezes doce, às vezes cruel.

Hoje sei exatamente como você se sente. Há dois anos meu pai partiu. Penso nele diariamente, sinto falta do que eu ainda poderia ter vivido ao lado dele, dos abraços que ganharia quando fizesse algo que o orgulhasse, do que eu poderia ter dito e não disse... Mesmo os momentos de felicidade, de vitórias, são um pouco tristes, porque era com ele que eu queria comemorar!

Quantas saudades! Não tenho vergonha de admitir que choro quase que diariamente, principalmente nos instantes antes de dormir. Tudo reflexo do amor que eu sinto por ele, e que nunca morrerá!

Um dia talvez eu escreva sobre isso também, ou publique... não sei! Aliás, já estou fazendo isso por aqui, não é?

Meu pai também foi uma pessoa exemplar, digna, que sempre será minha inspiração! Mesmo sabendo que foi melhor para ele ter partido, sinto muitas saudades! Como dói! Tem dias que são mais difíceis. Vivo morrendo de saudades!

Um beijo, Emilio. Tenho certeza que seu pai se orgulha muito de você!E sei que ele, assim como meu pai, está em um lugar especial agora.

Emilio disse...

:)