quinta-feira, maio 03, 2007

Um futuro que não nos pertenceu


Imaginem se nossos pais não tivessem se conhecido? Ou se algum sujeito do passado tivesse tomado uma decisão diferente daquela, que convergiu numa série de fatos que viabilizou nossa existência? Simplesmente não estaríamos aqui, outras pessoas estariam em nosso lugar ou, no mínimo, no meu lugar.

Algumas vidas passaríam por aqui ou por ali, sem a noção de que estes dias jamais poderiam ter acontecido. Nunca teríamos caminhado por estas terras, nunca teriamos vivido nestas datas, nunca teriamos conhecido estas pessoas.

É curioso imaginar que a possibilidade de não estarmos aqui é muito mais factível do que o presente corrente, porém, nunca devemos nos esquecer de que mesmo sem nós, uma história haveria de acontecer com outros personagens em um futuro que não nos pertenceu.

3 comentários:

Lilian Barbosa disse...

Curioso mesmo. Também penso eventualmente em coisas do tipo. Um único acontecimento (ou mesmo uma coincidência) resultou em transformações palpáveis, significativas. Mas... se por ironia do destino esse ato não acontecesse, certamente a história que conheço tão bem não existiria. Uma nova história substituiria esta de que faço parte com outros protagonistas e novos desfechos. O tempo simplesmente não pára. Se não aconteceu de uma forma, obviamente será de outra maneira. Chega a ser estranho pensar que se não ocorresse algum fato no tempo certo; se não encontrássemos as pessoas certas, o presente de hoje seria o futuro de que jamais faríamos parte...

"Um futuro que não nos pertenceu"

=]

Carol disse...

uau, gostei muito do seu texto.


Obs: vi seu blog no da Lilian e adorei!!!

bjo

Gabriel disse...

era muito mais provável que não-existíssemos... somos todos realmente uma quebra de expectativa das probabilidades...