quarta-feira, maio 14, 2008

Historias esquecidas


Faz tempo que não escrevo aqui, faz tempo que não caminho por este mundo distante, quase infinito das idéias e reflexões.

Este primeiro passo, depois de um recomeço será dado falando sobre o fim, o fim de uma história que um dia aconteceu.

Outro dia, andando por entre os túmulos de um cemitério, observei algumas coisas curiosas, fascinantes até.

Haviam túmulos adornados por frases de consolo, mas que expressam a profunda solidão da despedida eterna.

Haviam túmulos enfeitados por flores, que trazem consigo as lembranças de uma última vez, da mesma última vez em que algo floresceu em um dia que jamais terminou.

Haviam ainda, túmulos esquecidos, de pessoas que foram deixadas para trás, sua lenda, suas lembranças, sua vida, agora resumem-se numa lápide desgastada, que reflete com exatidão aquilo que os levou, o tempo que foi consumido, esvaindo-se por entre infinitas recordações.

Em todo caso, o que mais me chamou a atenção, foram justamente as pessoas que nasceram e partiram, antes que eu mesmo nascesse. Pude perceber que uma história sempre será contada, no dia a dia das pessoas e de forma cíclica, vidas vão e vem. Antes de nós havia uma história e ao partirmos, tudo tende a seguir adiante.

No final das contas, toda esta fúnebre narrativa gira em torno de algo que vai além de nós, algo que está fora de nosso controle mas que nos pertence: Nosso tempo e nossa época. O resto? O resto irá contribuir para que, um dia, sejamos esquecidos e nossa jornada contada, através do som dos ventos, que passam por entre as árvores que nos farão companhia em um profundo vazio.

5 comentários:

Jean Madson disse...

Como dizia Oscar Wilde: Viver é uma coisa muita rara hoje em dia, a maioria das pessoas apenas existe.

E olha que o "hoje em dia" dele já faz muito tempo...

Mas suas histórias e seu pensamento ressoam através dos tempos...

Lilian Barbosa disse...

Concordo quando você diz que tudo acaba se esvaindo entre infinitas recordações. Durante um tempo, sempre estaremos presentes nas lembranças de alguém. Quando não mais houver lembranças, novas vidas surgirão e passarão. Quando tudo se dissipar por completo, uma nova história será contada. Tivemos o nosso tempo, a nossa época, a nossa história... Outros também a terão.

Jean Madson disse...

Falando em "Histórias esquecidas", este post é de 14 de maio de 2008.
Acho que este blog tá virando uma 'história esquecida'. Filosofe mais, meu amigo. Faça um post para a Lia :-)

Jean Madson disse...

Faça um post no estilo John Grogan, de Marley & Eu... :-P

Lilian Barbosa disse...

Amanhã fará 1 ano que você não atualiza o blog. Está mais relapso do que eu. Tsk, tsk!

Vamos animar isso aqui, rapá!

Beijos